-

Parceiros e convênios Sinconsete
SINCONSETE
SINCONSETE
SINCONSETE

 


Imposto de Renda e imposto causa mortis no processo de inventário

07/01/2020



   

Quando se inicia o processo de inventário, uma das perguntas que surge é por quais valores os bens imóveis[1] deixados pelo falecido serão transmitidos aos herdeiros.

A legislação civil é omissa em relação ao valor que deve ser utilizado na transmissão por sucessão, pelo que entendo que os bens podem ser transmitidos pelo “valor de aquisição” ou pelo “valor de mercado”.

Ocorre que a escolha do valor no processo de inventário pode gerar reflexos no imposto de renda e no imposto causa mortis, que será objeto desse artigo.

Isso porque o Imposto de Renda (imposto federal) e o imposto de causa mortis (imposto estadual) possuem leis específicas para suas apurações.

No Imposto de Renda, a Lei federal 9.532/97[2] dispõe que na transferência de propriedade por sucessão, os bens e direitos poderão ser avaliados a “valor de mercado” ou pelo “valor constante na declaração de bens[3]” do falecido.

Referido dispositivo legal dispõe também que se a transmissão ocorrer pelo “valor de mercado”, a diferença a maior entre esse valor e o “valor constante na declaração de bens” estará sujeita ao Imposto de Renda de 15%.

Lembramos que o “valor constante na declaração de bens” deve ser o “custo de aquisição” [4].

Se os herdeiros optarem pelo “valor de mercado”, haverá incidência do IR de 15% sobre a diferença maior que o “valor constante na declaração de bens” [5].

Exemplo:

Valor constante na declaração de bens: R$ 500.000,00

Valor de mercado: R$ 700.000,00

Valor a maior: R$ 200.000,00

Imposto de Renda: R$ 200.000,00 x 15% = R$ 30.000,00

Se os herdeiros optarem pelo “valor constante na declaração de bens”, não haverá incidência do Imposto de Renda.

Notas

[1] Não foram incluídos outros bens e direitos em razão das peculiaridades de cada um.

[2] “Art. 23. Na transferência de direito de propriedade por sucessão, nos casos de herança, legado ou por doação em adiantamento da legítima, os bens e direitos poderão ser avaliados a valor de mercado ou pelo valor constante da declaração de bens do de cujus ou do doador.

§ 1° Se a transferência for efetuada a valor de mercado, a diferença a maior entre esse e o valor pelo qual constavam da declaração de bens do de cujus ou do doador sujeitar-se-á à incidência de imposto de renda à alíquota de quinze por cento. (...)”

[3] Valor declarado na ficha de “Bens e Direitos” da Declaração do Imposto sobre a Renda.

[4] A Instrução Normativa SRF 84/2001 dispõe sobre as situações que podem integrar o “custo de aquisição” e a forma de atualização do “custo de aquisição” de bens e direitos adquiridos até 31 de dezembro de 1995.

[5] As Leis 7.713/88 e 11.196/05 preveem algumas reduções, considerando a data de aquisição do imóvel, podendo ser verificadas por meio do programa GCAP da Receita Federal. Aqui pode ser feito um “planejamento tributário” visando recolher menos imposto de renda posteriormente com a alienação dos bens recebidos pelos herdeiros.

[6] Lei estadual 10.705/00

“Artigo 9° A base de cálculo do imposto é o valor venal do bem ou direito transmitido, expresso em moeda nacional ou em UFESPs (Unidades Fiscais do Estado de São Paulo).

§ 1° Considera-se valor venal o valor de mercado do bem ou direito na data da abertura da sucessão ou da realização do ato ou contrato de doação.”

[7] Há diversas decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo reconhecendo a ilegalidade de adotar o “valor venal de referência” do ITBI para fins de apuração do ITCMD. Alguns precedentes: processos 1014991-72.2018.8.26.0344 (2ª Câmara de Direito Público); 1001744-97.2016.8.26.0116 (3ª Câmara de Direito Público); 1013691-28.2014.8.26.0114 (6ª Câmara de Direito Público); 1031203-70.2018.8.26.0506 (13ª Câmara de Direito Público).

[8] Alíquota da Lei 10.705/00 do estado de São Paulo.

[9] Alíquota da Lei 10.705/00 do estado de São Paulo.






Clique na imagem para ampliar.


     


Fonte: Revista Consultor Jurídico



Menu cadastros



     




[« Voltar]   [Pagina inicial]
-  -

BAse refetente as cidades:

Araçai, Baldim, Conceição de Mato Dentro, Cachoeira da Prata, Congonhas do Norte, Cordisburgo, Corinto, Capim Branco, Caetanópolis, Diamantina, Datas, Funilandia, Fortuna de Minas, Felixlândia, Gouveia, Inimutaba, Inhaúma, Joaquim Felício, Jequitibá, Morro da Garça, Matozinhos, Monjolos, Presidente Juscelino, Presidente Kubitsckek, Pompeu, Paraopeba, Prudente de Morais, Sete Lagoas, Santana de Pirapama, Santana do Riacho, Santo Hipólito, Três Marias e Virgem da Lapa

Sindicato dos Contabilistas de Araçai, Sindicato dos Contabilistas de Baldim, Conceição de Mato Dentro, Sindicato dos Contabilistas de Cachoeira da Prata, Sindicato dos Contabilistas de Congonhas do Norte, Sindicato dos Contabilistas de Cordisburgo, Sindicato dos Contabilistas de Corinto, Sindicato dos Contabilistas de Capim Branco, Sindicato dos Contabilistas de Caetanópolis, Sindicato dos Contabilistas de Diamantina, Sindicato dos Contabilistas de Datas, Sindicato dos Contabilistas de Funilandia, Sindicato dos Contabilistas de Fortuna de Minas, Sindicato dos Contabilistas de Felixlândia, Sindicato dos Contabilistas de Gouveia, Sindicato dos Contabilistas de Inimutaba, Sindicato dos Contabilistas de Inhaúma, Sindicato dos Contabilistas de Joaquim Felício, Sindicato dos Contabilistas de Jequitibá, Sindicato dos Contabilistas de Morro da Garça, Sindicato dos Contabilistas de Matozinhos, Sindicato dos Contabilistas de Monjolos, Sindicato dos Contabilistas de Presidente Juscelino, Sindicato dos Contabilistas de Presidente Kubitsckek, Sindicato dos Contabilistas de Pompeu, Sindicato dos Contabilistas de Paraopeba, Sindicato dos Contabilistas de Prudente de Morais, Sindicato dos Contabilistas de Sete Lagoas, Sindicato dos Contabilistas de Santana de Pirapama, Sindicato dos Contabilistas de Santana do Riacho, Sindicato dos Contabilistas de Santo Hipólito, Sindicato dos Contabilistas de Três Marias e Sindicato dos Contabilistas de Virgem da Lapa.

SINCONSETE/MG

SINDICATO DOS CONTABILISTAS, CONTADORES, TÉC. EM CONTABILIDADE E DE EMPREGADOS EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE, AUDITORIAS E PERÍCIAS CONTÁBEIS DE SETE LAGOAS E REGIÃO – SINCONSETE/MG, CNPJ nº 21.012.943/0001-04. CODIGO SINDICAL: 921.012.188.01315-7




SEDE SOCIAL / SALÃO DE EVENTOS

Rua Espinosa, 385 Padre Teodoro - MG CEP 35.702-122







..

Desenvolvido por: Geraldo junio -