-

Parceiros e convênios Sinconsete
SINCONSETE
SINCONSETE
SINCONSETE

 


CFC discute pauta conjunta com a Receita Federal

12/08/2019



   

O presidente do Conselho Federal de Contabilidade, Zulmir Breda, acompanhado dos vice-presidentes de Política Institucional, Joaquim Bezerra, e da  Área  Técnica, Idésio Coelho, participaram, na quarta-feira (7), de uma reunião com o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Jung Martins, para tratar de assuntos de interesse da classe contábil.

eSocial

Questionado sobre o futuro do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (e-Social), Jung Martins informou que a coordenação do processo de gestão pertence agora à Secretaria Especial da Previdência e Trabalho, mas que o controle sobre a arrecadação continua sendo da Receita através das estruturas EFD Reinf e DCTFWeb. “A medida foi tomada porque 83% das informações contidas no e-Social são relacionadas à área do trabalho, enquanto que apenas 17% estão ligadas à Receita”, afirmou.

De acordo com a nota técnica publicada pelo Ministério da Economia, na quinta-feira (8), com o intuito de garantir a segurança jurídica e a previsibilidade no ambiente de negócios das empresas, a Secretaria Especial da Previdência e Trabalho e a Secretaria Especial da Receita Federal editarão no prazo de até 30 de setembro de 2019, ato normativo conjunto que disciplinará a forma de envio das informações ao ambiente único nacional, bem como o cronograma de substituição ou eliminação de algumas obrigações (Leia a íntegra da nota aqui).

Ainda durante o encontro, o presidente do CFC, Zulmir Breda, destacou a realização do 1º Fórum Nacional de Assuntos Tributários (Fonat), realizado no Conselho, que discutiu o planejamento e a identificação de soluções em face das novas obrigações acessórias e das exigências a serem requeridas pela Receita Federal. Profissionais da contabilidade, além de representantes de empresas contábeis, de softwares e do Sistema CFC/CRCs, participaram da apresentação da nova estrutura da EFD Reinf, pelo auditor fiscal da Receita Federal do Brasil, Samuel Kruger.

Desde o início do ano, o Conselho Federal de Contabilidade tem trabalhado, de forma intensa, na discussão sobre as mudanças no eSocial com técnicos especialistas, representantes do governo e empresários de softwares e das organizações contábeis.

Em julho, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, anunciou que o eSocial será substituído por dois sistemas a partir de 2020. Segundo ele, em vez de transmitir todos os eventos para o mesmo ambiente, as informações trabalhistas e previdenciárias passarão a compor um sistema e as informações tributárias, outro. Essa discussão sobre o programa ganhou força com a edição da Medida Provisória nº 881/2019, que dispõe sobre a Liberdade Econômica. No relatório especial da comissão, designada para aprovar o texto dessa medida, consta um artigo que prevê a extinção do eSocial.

Reestruturação da Receita Federal

Outro assunto levantado pelos representantes do CFC foi sobre as consequências da reestruturação da RFB que encontra-se em andamento. De acordo com a proposta, as mudanças preveem a automação dos setores e, como consequência, a diminuição do número de regiões fiscais, delegacias, agências e superintendências físicas.

Segundo o vice-presidente de Política Institucional do CFC, Joaquim Bezerra, alguns estados já sentem o impacto das alterações, já que a redução tem prejudicado o atendimento dos contribuintes, principalmente daqueles que estão situados distantes dos centros urbanos do País.

O subsecretário Iágaro Jung Martins justificou as razões do projeto fundamentado na forte redução do quadro de Recursos Humanos e nos investimentos de tecnologia nos últimos anos, mas colocou a equipe técnica da área de coordenação de atendimento ao contribuinte para analisar as situações mais críticas que estão ocorrendo.

Medida Provisória 892/2019

Outro assunto tratado durante a reunião diz respeito à Medida Provisória 892/2019, que altera a Lei das S. As nº 6.404/1976, permitindo que as empresas divulguem seus balanços e demais documentos de publicação obrigatória nos sites da Comissão de Valores Mobiliários (CMV), da própria empresa e da bolsa de valores onde são negociadas suas ações.

O CFC manifestou interesse em participar da regulamentação da publicidade dos atos das companhias fechadas, disponibilizando sua estrutura para isto, inclusive para fins de fiscalização. A MP 892/19 já encontra-se no Congresso Nacional e aguarda a designação dos membros da comissão mista para analisar a proposta.

IRPJ – lucro real com base no resultado fiscal

Na ocasião, o presidente Zulmir Breda informou que o Sistema CFC/CRCs não concorda com a proposta da Receita Federal sobre a nova visão para o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica que propõe o cálculo do lucro real com base no resultado fiscal, tendo em visto que a medida implicará em uma nova estrutura de controles, paralelos à contabilidade impondo maiores custos às empresas.

Para Breda, a ideia pode representar um retrocesso ao desconsiderar, para fins tributários, o resultado contábil e a própria contabilidade elaborada com base nas normas técnicas, desprezando todo o processo de convergência  às normas internacionais de contabilidade, as IFRS (sigla em inglês), adotadas no Brasil há mais de 10 anos.

“A adoção das IFRS pelas empresas contribuiu com o aumento da relevância da informação contábil, impactando positivamente a qualidade da tomada de decisão de investidores quanto aos recursos aplicados  no mercado de capitais”, destacou Breda.

De acordo com o vice-presidente Técnico do Conselho, Idésio Coelho, outros efeitos positivos da adoção das normas internacionais são: maior transparência; melhor compreensão e comparabilidade dos dados contábeis entre países; a troca de informações e a redução do risco para o investidor; e a análise comparativa de resultados em nível mundial; o favorecimento das transações internacionais; e a contribuição com o desenvolvimento do mercado interno. Ganhos que, segundo ele, “não podem ser desqualificados”.

Mais de 100 países já utilizam o modelo IFRS no mundo. No Brasil, o ano de 2010 marcou o auge do processo, quando as empresas listadas na Bolsa de Valores tiveram que apresentar seus balanços no novo padrão o que trouxe transparência internacional de regras e informações contábeis que passaram a ser observadas por todas as companhias abertas e pelas empresas de grande porte, quando da elaboração de suas demonstrações contábeis.

“Acreditamos que a contabilidade deva ser a única fonte de avaliação da renda de uma entidade, para todos os fins, a nível universal. Os padrões de contabilidade adotados no Brasil, convergidos aos padrões internacionais, as IFRS, são base também para a convergência da contabilidade brasileira aplicável à administração pública, as IPSAS. Não  faz sentido a administração pública utilizar os mesmos padrões contábeis usados internacionalmente para administrar as contas públicas e a Receita Federal não aceitar que o contribuinte apure o resultado tributável utilizando a contabilidade. Dois pesos, duas medidas", disse Idésio Coelho.

O subsecretário Iágaro Jung Martins reconhece o interesse da Receita na proposta, mas disse que o assunto ainda está em fase de estudos e que pretende ouvir as partes envolvidas no tema.

Outros assuntos tratados na reunião abordaram a Central de Balanços, e, também, o  Livro Caixa Digital do Produtor Rural (LCDPR).Também participaram da reunião o Chefe da Assessoria Especial de Cooperação e Integração Fiscal, Altemir Linhares de Melo; o auditor-fiscal José Jayme Moraes Junior; a diretora executiva do CFC, Elys Tevania; e a coordenadora de Política Institucional do CFC, Ludmila Mello.


Clique na imagem para ampliar.


     


Fonte: CFC



Menu cadastros



Relacionadas   com   a   data:


12/08/2019 AVISO DE EDITAL - Sete lagoas

12/08/2019 OBRIGAÇÕES

12/08/2019 Atendente é demitida e presa após adulterar atestado médico de 4 para 9 dias de afastamento

12/08/2019 CFC discute pauta conjunta com a Receita Federal

12/08/2019 Gerente chama trabalhador de “negão burro” e loja é condenada

12/08/2019 Prefeitos são contrários a mudanças no ISS

12/08/2019 DECRETO N° 47.699 - Altera o Decreto nº 47.689/2019, que contém o Regulamento da Junta Comercial do Estado de Minas Gerais.

12/08/2019 LEI N° 23.374 - Altera parte da da Lei nº 14.937/2003, que dispõe sobre o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA)

12/08/2019 LEI N° 23.375 - Altera parte da Lei nº 6.763/1975, que consolida a legislação tributária do Estado de Minas.

12/08/2019 LEI N° 23.385 - Altera parte da Lei nº 6.763/1975, que consolida a legislação tributária do Estado de Minas Gerais.

12/08/2019 RESOLUÇÃO N° 5.279 - Dispõe sobre instalação e funcionamento de Serviço Integrado de Assistência Tributária e Fiscal (SIAT) e celebração de convênios de mútua cooperação com municípios.

12/08/2019 ATO COTEPE/ICMS N° 042 - divulga relação das empresas nacionais que produzem, comercializam e importam materiais aeronáuticos, beneficiárias de redução de base de cálculo do ICMS.

12/08/2019 ATO COTEPE/MVA N° 015 - COMBUSTÍVEIS - MVA - MARGEM DE VALOR AGREGADO

12/08/2019 ATO COTEPE/PMPF N° 018 - reço médio ponderado ao consumidor final (PMPF) de combustíveis.

12/08/2019 ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO COAEF N° 006 - Revoga o inciso XVI do art. 1º do Ato declaratório Executivo Cogea nº 1 / 2019 que dispõe sobre abertura de Dossiê Digital de Atendimento - DDA a distância por meio do Portal e-CAC referente ao requerimentos relativos ao Recine.

12/08/2019 O CRCSP, na defesa dos profissionais da contabilidade, ALERTA À SOCIEDADE SOBRE OFERTA DE SERVIÇOS CONTÁBEIS

12/08/2019 Auxílio-Maternidade no INSS tem novas regras para solicitação



     




[« Voltar]   [Pagina inicial]
-  -

BAse refetente as cidades:

Araçai, Baldim, Conceição de Mato Dentro, Cachoeira da Prata, Congonhas do Norte, Cordisburgo, Corinto, Capim Branco, Caetanópolis, Diamantina, Datas, Funilandia, Fortuna de Minas, Felixlândia, Gouveia, Inimutaba, Inhaúma, Joaquim Felício, Jequitibá, Morro da Garça, Matozinhos, Monjolos, Presidente Juscelino, Presidente Kubitsckek, Pompeu, Paraopeba, Prudente de Morais, Sete Lagoas, Santana de Pirapama, Santana do Riacho, Santo Hipólito, Três Marias e Virgem da Lapa

Sindicato dos Contabilistas de Araçai, Sindicato dos Contabilistas de Baldim, Conceição de Mato Dentro, Sindicato dos Contabilistas de Cachoeira da Prata, Sindicato dos Contabilistas de Congonhas do Norte, Sindicato dos Contabilistas de Cordisburgo, Sindicato dos Contabilistas de Corinto, Sindicato dos Contabilistas de Capim Branco, Sindicato dos Contabilistas de Caetanópolis, Sindicato dos Contabilistas de Diamantina, Sindicato dos Contabilistas de Datas, Sindicato dos Contabilistas de Funilandia, Sindicato dos Contabilistas de Fortuna de Minas, Sindicato dos Contabilistas de Felixlândia, Sindicato dos Contabilistas de Gouveia, Sindicato dos Contabilistas de Inimutaba, Sindicato dos Contabilistas de Inhaúma, Sindicato dos Contabilistas de Joaquim Felício, Sindicato dos Contabilistas de Jequitibá, Sindicato dos Contabilistas de Morro da Garça, Sindicato dos Contabilistas de Matozinhos, Sindicato dos Contabilistas de Monjolos, Sindicato dos Contabilistas de Presidente Juscelino, Sindicato dos Contabilistas de Presidente Kubitsckek, Sindicato dos Contabilistas de Pompeu, Sindicato dos Contabilistas de Paraopeba, Sindicato dos Contabilistas de Prudente de Morais, Sindicato dos Contabilistas de Sete Lagoas, Sindicato dos Contabilistas de Santana de Pirapama, Sindicato dos Contabilistas de Santana do Riacho, Sindicato dos Contabilistas de Santo Hipólito, Sindicato dos Contabilistas de Três Marias e Sindicato dos Contabilistas de Virgem da Lapa.

SINCONSETE/MG

SINDICATO DOS CONTABILISTAS, CONTADORES, TÉC. EM CONTABILIDADE E DE EMPREGADOS EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE, AUDITORIAS E PERÍCIAS CONTÁBEIS DE SETE LAGOAS E REGIÃO – SINCONSETE/MG, CNPJ nº 21.012.943/0001-04. CODIGO SINDICAL: 921.012.188.01315-7




SEDE SOCIAL / SALÃO DE EVENTOS

Rua Espinosa, 385 Padre Teodoro - MG CEP 35.702-122







..

Desenvolvido por: Geraldo junio -