-

Parceiros e convênios Sinconsete
SINCONSETE
SINCONSETE
SINCONSETE

Lucro de bancos supera gasto com calote pela 1ª vez desde a crise

11/05/2018



   

Os grandes bancos de capital aberto no País conseguiram,
pela primeira vez desde o começo da crise, em meados de 2015, entregar
resultados maiores do que os gastos com calotes em um trimestre.

Juntos,
Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander Brasil
apresentaram lucro líquido de R$ 17,406 bilhões de janeiro a março,
cifra 11,44% maior do que a registrada um ano antes, de R$ 15,6 bilhões.
Com ajustes, o resultado dos maiores bancos do País ficou em R$ 16,3
bilhões, elevação de 13,4% na mesma base de comparação.

Em
contrapartida, as despesas com provisões para devedores duvidosos, as
chamadas PDDs brutas, ou seja, que não consideram recuperações, seguiram
em queda no primeiro trimestre. Esses gastos encolheram 17,53% no
primeiro trimestre em relação a um ano antes, para R$ 17,363 bilhões ao
final de março. Assim, ficaram levemente abaixo do lucro entregue no
período pela primeira vez desde o estouro da pior crise política e
econômica no País. No comparativo trimestral, as despesas com PDDs
encolheram 7,82%.

Embora o motor para o ponto de inflexão tenha
sido, principalmente, a trégua da inadimplência nas grandes empresas, o
fato de a maioria dessas instituições ter conseguido expandir suas
carteiras de crédito a despeito de um trimestre sazonalmente fraco é um
sinal de que o volume de empréstimos pode compensar, ainda que em parte,
a queda da Selic ao longo do ano.

A tendência, conforme os
executivos dos grandes bancos, é de queda da inadimplência no decorrer
de 2018. O único que manteve o índice estável no primeiro trimestre,
considerando atrasos acima de 90 dias, foi o Itaú, impactado por um caso
específico nas grandes empresas. Apesar disso, o presidente executivo
do banco, Candido Bracher, afirmou que não vê interrupção da trajetória
de melhora da inadimplência, mas antecipou que o ritmo de redução dos
calotes vai diminuir.

Nos demais players, o primeiro trimestre,
que sofre influência por maiores gastos de início de ano, o que pesa,
principalmente, nos calotes de curto prazo (atrasos entre 15 e 90 dias)
veio acompanhado da melhora na qualidade dos ativos. Os destaques foram
Bradesco e Santander, com redução de 0,3 ponto porcentual ao final de
março ante dezembro.

Nas últimas semanas, o temor com mais
calotes no setor corporate voltou aos holofotes após o imbróglio em
torno da Odebrecht, que enfrenta dificuldades tenta para obter R$ 2,5
bilhões junto ao Bradesco e Itaú para honrar seus compromissos
financeiros. Isso porque a companhia depende da bênção de Banco do
Brasil, BNDES e Santander em relação à senioridade das ações da Braskem -
oferecidas como garantia.

Spreads e crédito.

Os
resultados dos grandes bancos vêm em meio ao debate mais aquecido sobre a
queda dos spreads bancários (diferença entre o custo de captação e o
que cobram pelo crédito) no Brasil. Segundo dados do Banco Central, as
taxas cobradas dos financiamentos com recursos livres cresceram 1,9
ponto porcentual no primeiro trimestre, passando de 31,8 pontos em
dezembro para 33,7 pontos em março último.

Na pessoa jurídica,
houve aumento de 0,4 p.p. no período, de 13,7 pontos para 14,1 pontos.
Já no caso das pessoas físicas, segmento cujas margens são melhores do
que junto às empresas, o salto foi ainda maior, de 46,2 pontos para 49
pontos.

Entre os executivos dos grandes bancos, há uma
expectativa de que os spreads caiam ao longo deste ano, mas o ritmo de
queda será ditado pelo comportamento da inadimplência. Conforme o
presidente do Santander, Sergio Rial, não virá com uma "canetada". O
Cadastro Positivo, cujo texto-base do projeto foi aprovado na Câmara e
ainda voltará para o Senado, deve contribuir para a queda dos spreads.

O
mix de crédito, entretanto, tende a compensar a redução das taxas. Isso
porque as carteiras de crédito que estão crescendo, as de pessoas
físicas, têm spreads maiores enquanto que os empréstimos para grandes
empresas, cujas margens dos bancos são menores, seguem em queda, o que
explica parte do aumento do spread no sistema.

Do lado do
crédito, o ritmo de concessões permaneceu tímido no primeiro trimestre.
No entanto, os três bancos privados conseguiram expandir as suas
carteiras classificadas (sem avais e fianças) em relação ao último
trimestre, motivados, principalmente, pelas pessoas físicas, uma vez que
as empresas ainda não retomaram os seus investimentos. Na visão de um
especialista do setor bancário, "é um sinal de que o ciclo de crédito
mudou e o crescimento do volume da carteira deverá parcialmente
compensar a queda da Selic".

O único grande banco que não
conseguiu expandir a sua carteira no primeiro trimestre foi o BB. O
desempenho do período, de acordo com o presidente do banco, Paulo
Caffarelli, veio em linha com as expectativas da instituição e, por
isso, o banco preferiu manter as suas projeções de desempenho para 2018.


O crescimento do crédito depende da velocidade da retomada da
economia brasileira. Temos de lembrar que o Brasil enfrentou a pior
crise e ainda temos uma ressaca no consumo, mas acreditamos que o
crédito vai aumentar dentro da velocidade de retomada do crescimento
econômico", avaliou Caffarelli, em coletiva de imprensa, mais cedo.

De
acordo com o executivo, o ano atípico de eleições presidenciais no
Brasil não deve fazer com que o BB fique fora das suas projeções de
desempenho para crédito. Bradesco e Itaú também optaram por manter seus
guidances para o ano.

Já o presidente do Bradesco, Octavio de
Lazari, adotou um tom mais ameno, sem a retomada do setor corporativo,
será difícil alcançar o teto do guidance. "Se o crédito corporativo não
andar, é muito difícil chegar no ponto alto, porque no varejo a
quantidade de operações é alta, mas os valores são muito menores",
avaliou ele.

Do lado da rentabilidade, o presidente do BB
reafirmou que o banco segue debruçado em reduzir a distância para os
pares privados. A instituição estatal entregou retorno no quesito
mercado de 13,2% ao fim de março, melhora de 0,8 ponto porcentual em um
ano, mas redução de 1,3 p.p. ante dezembro. No primeiro trimestre, o
Itaú seguiu na liderança com retorno (ROE, na sigla em inglês) de 22,2%.


O destaque, contudo, foi o Santander, que ao entregar indicador
de 19,1%, ultrapassou o Bradesco (ROE de 18,6%), que ainda digere o
HSBC, galgando o segundo lugar no ranking dos bancos mais rentáveis do
País.



Clique na imagem para ampliar.


     


Fonte: Estadão



Menu cadastros



Relacionadas   com   a   data:


11/05/2018 AVISO DE EDITAL - Sete lagoas

11/05/2018 Minas é o segundo do País em formalização

11/05/2018 CIRCULAR BACEN N° 3.897 - COPA DO MUNDO - HORÁRIO DE ATENDIMENTO BANCÁRIO NOS JOGOS DA SELEÇÃO BRASILEIRA

11/05/2018 PORTARIA MF N° 018 - FATORES DE ATUALIZAÇÃO PARA CÁLCULO DO PECÚLIO DUPLA COTA PARA O MÊS DE MAIO

11/05/2018 ATO DECLARATÓRIO CONFAZ N° 011 - Ratifica o Convênio ICMS 038/2018, que prorroga as disposições do Convênio ICMS 025/2014, que autoriza a concessão de isenção do ICMS nas operações internas com veículos automotores adquiridos pela Orionópolis Catarinense e revigora o Convênio ICMS....

11/05/2018 ATO DECLARATÓRIO PGFN N° 005 - DISPENSA E DESISTÊNCIA DE RECURSOS. IMUNIDADE DE LIVROS JORNAIS, PERIÓDICOS E PAPEL.

11/05/2018 ATO DECLARATÓRIO PGFN N° 006 - Dispensa de apresentação de contestação e de interposição de recursos, bem como a desistência dos já interpostos, nas ações judiciais que fixam o entendimento de que a prescrição da repetição do indébito tributário flui a partir da entrega da declaração de ajuste anual do IR ou do pagamento posterior decorrente do ajuste.....

11/05/2018 RESOLUÇÃO N° 5.135 - Dispõe sobre a convocação dos contribuintes, detentores de benefícios fiscais relativos ao ICMS, para participação nos procedimentos necessários ao registro e ao depósito da documentação comprobatória, para fins de remissão e reinstituição desses benefícios fiscais, nos termos do Convênio ICMS 190/2017

11/05/2018 Ambev abre inscrições para selecionar jovens de diversas áreas

11/05/2018 Correios oferecem mais de 4 mil vagas para programa jovem aprendiz

11/05/2018 Minas Gerais Administração e Serviços abre 52 vagas no Estado e no Distrito Federal

11/05/2018 Nova lei trabalhista traz mudanças, mas ainda enfrenta resistência; veja as consequências.

11/05/2018 STF suspende julgamento da lei trabalhista

11/05/2018 Lucro de bancos supera gasto com calote pela 1ª vez desde a crise



     




[« Voltar]   [Pagina inicial]
-  -

BAse refetente as cidades:

Araçai, Baldim, Conceição de Mato Dentro, Cachoeira da Prata, Congonhas do Norte, Cordisburgo, Corinto, Capim Branco, Caetanópolis, Diamantina, Datas, Funilandia, Fortuna de Minas, Felixlândia, Gouveia, Inimutaba, Inhaúma, Joaquim Felício, Jequitibá, Morro da Garça, Matozinhos, Monjolos, Presidente Juscelino, Presidente Kubitsckek, Pompeu, Paraopeba, Prudente de Morais, Sete Lagoas, Santana de Pirapama, Santana do Riacho, Santo Hipólito, Três Marias e Virgem da Lapa

Sindicato dos Contabilistas de Araçai, Sindicato dos Contabilistas de Baldim, Conceição de Mato Dentro, Sindicato dos Contabilistas de Cachoeira da Prata, Sindicato dos Contabilistas de Congonhas do Norte, Sindicato dos Contabilistas de Cordisburgo, Sindicato dos Contabilistas de Corinto, Sindicato dos Contabilistas de Capim Branco, Sindicato dos Contabilistas de Caetanópolis, Sindicato dos Contabilistas de Diamantina, Sindicato dos Contabilistas de Datas, Sindicato dos Contabilistas de Funilandia, Sindicato dos Contabilistas de Fortuna de Minas, Sindicato dos Contabilistas de Felixlândia, Sindicato dos Contabilistas de Gouveia, Sindicato dos Contabilistas de Inimutaba, Sindicato dos Contabilistas de Inhaúma, Sindicato dos Contabilistas de Joaquim Felício, Sindicato dos Contabilistas de Jequitibá, Sindicato dos Contabilistas de Morro da Garça, Sindicato dos Contabilistas de Matozinhos, Sindicato dos Contabilistas de Monjolos, Sindicato dos Contabilistas de Presidente Juscelino, Sindicato dos Contabilistas de Presidente Kubitsckek, Sindicato dos Contabilistas de Pompeu, Sindicato dos Contabilistas de Paraopeba, Sindicato dos Contabilistas de Prudente de Morais, Sindicato dos Contabilistas de Sete Lagoas, Sindicato dos Contabilistas de Santana de Pirapama, Sindicato dos Contabilistas de Santana do Riacho, Sindicato dos Contabilistas de Santo Hipólito, Sindicato dos Contabilistas de Três Marias e Sindicato dos Contabilistas de Virgem da Lapa.

SINCONSETE/MG

SINDICATO DOS CONTABILISTAS, CONTADORES, TÉC. EM CONTABILIDADE E DE EMPREGADOS EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE, AUDITORIAS E PERÍCIAS CONTÁBEIS DE SETE LAGOAS E REGIÃO – SINCONSETE/MG, CNPJ nº 21.012.943/0001-04. CODIGO SINDICAL: 921.012.188.01315-7

ATENDIMENTO

Rua João Andrade, 453, São Geraldo, Sete Lagoas- MG CEP 37.700-178 / Horário 7:00 as 11:00 e 12:30 as 17:00 de Seg. a Sex.
E-mail sindicato_dos_contabilistas@yahoo.com.br / -
Telefone(s):(31) 3771-9873 Geraldo Ramos




SEDE SOCIAL / SALÃO DE EVENTOS

Rua Espinosa, 385 Padre Teodoro - MG CEP 35.702-122







..

Desenvolvido por: Geraldo junio - 8808-3206 - ops_gerald@yahoo.com.br