-

Parceiros e convênios Sinconsete
SINCONSETE
SINCONSETE
SINCONSETE

 


SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE

04/02/2015



    SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE

I - Responsabilidade por substituição:

1 - Qual o alcance da substituição tributária nas prestações de serviço de transporte rodoviário de carga?

R:A
substituição tributária alcança o imposto devido nas prestações
intermunicipais (internas) e interestaduais realizadas por transportador
autônomo ou por transportador de outra unidade da Federação, ainda que
optantes pelo Simples Nacional, tendo em vista o disposto na alínea “a”
do inciso XIII do § 1º do art. 13 da
Lei Complementar nº 123/2006.

Portanto,
não mais se aplica a substituição tributária nas prestações praticadas
por transportador inscrito no cadastro de contribuintes deste Estado.

Ressalte-se que prevalecem as hipóteses de isenção
do imposto, tanto na prestação interna de serviço de transporte
rodoviário intermunicipal de cargas, quanto na prestação de serviço de
transporte rodoviário interestadual de cargas, que tenham como tomador
do serviço contribuinte do imposto inscrito no cadastro de contribuintes
deste Estado, nos termos dos itens
144 e 199, ambos da Parte 1 do Anexo I do RICMS/02. Vide Questão 6.

2
- A quem é atribuída a condição de sujeito passivo por substituição
pelo recolhimento do imposto devido na prestação de serviço de
transporte rodoviário de cargas iniciada neste Estado?

R:Ao
alienante ou remetente da mercadoria ou bem inscrito no Cadastro de
Contribuintes do ICMS, enquadrado no regime normal de recolhimento do
imposto.

Na
hipótese de alienante ou remetente que seja microempresa ou empresa de
pequeno porte optante pelo Simples Nacional, a responsabilidade somente
se aplica em se tratando de estabelecimento industrial.

Destaque-se que não se aplicará a substituição tributária caso o transportador recolha o imposto antes de iniciar a prestação.

3
- A responsabilidade pelo recolhimento do ICMS/ST é atribuída ao
alienante/remetente da mercadoria ou bem na prestação de serviço quando
realizada por qualquer transportador?

R:Não. Com as alterações promovidos pelo Decreto nº 46.591, de 04 setembro de 2014,
apenas nas prestações praticadas por transportador autônomo ou inscrito
em outra unidade da Federação, a responsabilidade pelo imposto devido é
atribuída ao alienante/remetente da mercadoria, independentemente da
modalidade do frete, seja ela CIF ou FOB.

4
- O produtor inscrito no Cadastro de Produtor Rural Pessoa Física ou o
estabelecimento do contribuinte microempresa ou empresa de pequeno porte
optante pelo Simples Nacional, com atividade não industrial, poderão
assumir a responsabilidade pelo ICMS devido na prestação de serviço de
transporte?

R:Sim, desde que obedeçam as disposições do § 3º do art. 4º da Parte 1 do Anexo XV
do RICMS/02, dentre elas a necessidade de que o recolhimento do imposto
seja efetuado antes de iniciada a prestação e que, no Documento de
Arrecadação Estadual (DAE) relativo ao recolhimento, conste o número da
nota fiscal que acobertar a operação, ainda que consignado no documento
após o recolhimento.

Nessa hipótese, a prestação será acobertada pelo Documento de Arrecadação Estadual relativo ao recolhimento do imposto.

5
- Com a aplicação da substituição tributária nas prestações de serviço
de transporte rodoviário de carga, quais as hipóteses em que o
transportador inscrito neste Estado é sujeito passivo?

R:Com o advento do Decreto nº 46.591, de 4 setembro de 2014,
não mais se aplica a substituição tributária às prestações praticadas
pelo transportador inscrito no cadastro de contribuintes deste Estado.

Assim,
em todas as prestações praticadas pelo transportador inscrito no
Cadastro de Contribuintes do ICMS, ele próprio será responsável pelo
recolhimento do ICMS devido, conforme seu regime de apuração do imposto.

6
- A isenção prevista para a prestação de serviço de transporte
rodoviário de cargas nos itens 144 e 199, ambos da Parte 1 do Anexo I do
RICMS/02, estará prejudicada com a substituição tributária nas
prestações de serviço?

R:Não. Na prestação de serviço de transporte rodoviário de cargas aplicam-se as isenções constantes dos itens 144 e 199 do Anexo I do RICMS/02, observadas as condições previstas.

Portanto,
sendo aplicável a isenção à respectiva prestação de serviço de
transporte, não haverá responsabilidade a ser transferida por
substituição tributária, posto não haver imposto a ser recolhido.

II  - Obrigações acessórias:

7
- Qual a indicação que o alienante/remetente, substituto tributário,
deverá fazer na nota fiscal quando a prestação de serviço de transporte
rodoviário de cargas for executada por transportador autônomo ou
inscrito em outra unidade da Federação?

R:O
alienante/remetente da mercadoria deverá indicar no campo “Informações
Complementares” da nota fiscal o preço, a base de cálculo, a alíquota
aplicada e o valor do imposto relativos à prestação do serviço de
transporte rodoviário intermunicipal ou interestadual de cargas.

8 - Como será acobertada a prestação de serviço de transporte rodoviário de cargas sujeita à substituição tributária?

R:Nos termos do inciso II do § 5º do art. 4º da Parte 1 do Anexo XV
do RICMS/02, a prestação de serviço de transporte rodoviário
intermunicipal ou interestadual de cargas será acobertada pela nota
fiscal que acobertar a operação com a mercadoria transportada, desde que
contenha as informações a que se refere a questão anterior, dispensada a
emissão do conhecimento de transporte.

9
- Como será acobertada a prestação de serviço de transporte rodoviário
de cargas quando o produtor rural pessoa física, inscrito no respectivo
cadastro, ou o estabelecimento do contribuinte microempresa ou empresa
de pequeno porte optante pelo Simples Nacional, não industriais,
assumirem a responsabilidade pelo recolhimento do ICMS devido na
prestação?

R:A prestação será acobertada pelo DAE relativo ao recolhimento, dispensada a emissão do conhecimento de transporte.

10
- No caso de subcontratação da prestação de serviço de transporte
rodoviário de cargas sujeita à substituição tributária, o conhecimento
de transporte deverá ser emitido pelo transportador subcontratado?

R:Não.
O transportador subcontratado fica dispensado da emissão do
conhecimento de transporte. Neste caso, a prestação será acobertada pela
nota fiscal emitida pelo remetente da mercadoria, desde que dela
constem as informações mencionadas na questão de nº 7.

Caso
o estabelecimento da microempresa ou da empresa de pequeno porte
optante pelo Simples Nacional ou o produtor rural pessoa física inscrito
tenham assumido a condição de substituto tributário, a prestação,
inclusive a subcontratada, será acobertada pelo DAE a que se refere o
§ 3º do art. 4º da Parte 1 do Anexo XV do RICMS/02, documento no qual constará o número da nota fiscal acobertadora da operação.

III - Base de cálculo, ICMS e crédito:

11
- Qual é a base de cálculo do imposto para fins de substituição
tributária na prestação de serviço de transporte rodoviário de carga?

R:A
base de cálculo é o valor total da prestação praticado pelo
contribuinte substituído. O valor deverá ser indicado no campo
“Informações Complementares” da nota fiscal juntamente com a alíquota
aplicada e o valor do imposto relativos à prestação.

12 - Qual será o valor do imposto a ser recolhido a título de substituição tributária (ICMS/ST)?

R:O
valor a ser recolhido a título de substituição tributária será aquele
calculado mediante aplicação, sobre a respectiva base de cálculo, da
alíquota estabelecida para a prestação, deduzida a parcela de 20% (vinte
por cento) referente ao crédito presumido de que trata o
inciso XXIX do art. 75 do RICMS/02.

13
- Quando o transportador for de outra unidade da Federação, o crédito
presumido também será aplicado pelo alienante/remetente?

R:Sim.
Independentemente da condição do transportador, o substituto aplicará a
dedução de 20% (vinte por cento) para apuração do valor a ser recolhido
a título de ICMS/ST.

14
- Os estabelecimentos de microempresa ou empresa de pequeno porte
optantes pelo Simples Nacional, não industriais, ou o produtor rural
pessoa física inscrito no respectivo cadastro, que assumirem a
responsabilidade pelo recolhimento do ICMS/ST, poderá deduzir o crédito
presumido?

R:Sim.
Deverá efetuar o recolhimento antecipado, por meio de documento de
arrecadação próprio, abatendo 20% (vinte por cento) a título de crédito
presumido.

15
- Como se dará o aproveitamento do crédito relativo ao imposto
incidente sobre a prestação de serviço de transporte rodoviário de
cargas, no caso de estar a prestação sujeita à substituição tributária?

R:O
valor do imposto será utilizado como crédito pelo tomador do serviço
optante pelo regime de recolhimento de débito e crédito, quando estiver
corretamente identificado:

I
- no documento de arrecadação utilizado para pagamento do imposto pelo
transportador autônomo ou pela empresa transportadora de outra unidade
da Federação, não inscritos como contribuinte neste Estado, na hipótese
do
§ 4º do art. 4º da Parte 1 do Anexo XV do RICMS/02;

II - na nota fiscal relativa à operação, que acobertar, também, a prestação de serviço de transporte.

16 - O débito relativo ao ICMS/ST poderá ser compensado com outros créditos?

R:Não.
É vedada a compensação de débito relativo à substituição tributária com
qualquer crédito de imposto decorrente de entrada ou de utilização de
serviço de transporte.

17 - Quando será efetuado o recolhimento do ICMS/ST pelo alienante/remetente da mercadoria transportada?

R:Em
regra, será efetuado após o período de apuração, observado o prazo
estabelecido para o pagamento do ICMS relativo às operações ou
prestações próprias.

Neste
caso, ao final do período de apuração do imposto, o alienante remetente
totalizará o ICMS/ST relativo às prestações de serviço de transporte
rodoviário de cargas e registrará o valor do imposto a recolher no livro
Registro de Apuração do ICMS (RAICMS), em folha subsequente à destinada
à apuração relacionada com as suas operações próprias, com a indicação
da expressão “Substituição Tributária”, utilizando o campo do item 002 -
Outros Débitos do quadro Débito do Imposto e o quadro Apuração dos
Saldos.

Em
se tratando de microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo
Simples Nacional, não industriais, ou produtor rural pessoa física, o
imposto será recolhido antes do início da prestação por meio de DAE, do
qual constará o número da nota fiscal acobertadora da operação.

No
caso do produtor rural, o ICMS relativo à prestação de serviço de
transporte rodoviário de cargas poderá ser recolhido até a data
estabelecida para o recolhimento do ICMS relativo à respectiva operação
com a mercadoria, desde que autorizado em regime especial concedido pelo
titular da Delegacia Fiscal a que estiver circunscrito o
estabelecimento produtor.

18
- É permitido que o transportador efetue o pagamento antecipado do
imposto incidente na prestação de serviço de transporte rodoviário de
cargas que realizar?

R:Sim.
Quando o transportador recolhe o imposto antes de iniciada a prestação,
a responsabilidade atribuída ao alienante/remetente fica excluída.

Belo Horizonte, 14 de janeiro de 2015.

Diretoria de Orientação e Legislação Tributária/DOLT
Superintendência de Tributação/SUTRI



Clique na imagem para ampliar.

     


Fonte: .



Menu cadastros



     




[« Voltar]   [Pagina inicial]
-  -

BAse refetente as cidades:

Araçai, Baldim, Conceição de Mato Dentro, Cachoeira da Prata, Congonhas do Norte, Cordisburgo, Corinto, Capim Branco, Caetanópolis, Diamantina, Datas, Funilandia, Fortuna de Minas, Felixlândia, Gouveia, Inimutaba, Inhaúma, Joaquim Felício, Jequitibá, Morro da Garça, Matozinhos, Monjolos, Presidente Juscelino, Presidente Kubitsckek, Pompeu, Paraopeba, Prudente de Morais, Sete Lagoas, Santana de Pirapama, Santana do Riacho, Santo Hipólito, Três Marias e Virgem da Lapa

Sindicato dos Contabilistas de Araçai, Sindicato dos Contabilistas de Baldim, Conceição de Mato Dentro, Sindicato dos Contabilistas de Cachoeira da Prata, Sindicato dos Contabilistas de Congonhas do Norte, Sindicato dos Contabilistas de Cordisburgo, Sindicato dos Contabilistas de Corinto, Sindicato dos Contabilistas de Capim Branco, Sindicato dos Contabilistas de Caetanópolis, Sindicato dos Contabilistas de Diamantina, Sindicato dos Contabilistas de Datas, Sindicato dos Contabilistas de Funilandia, Sindicato dos Contabilistas de Fortuna de Minas, Sindicato dos Contabilistas de Felixlândia, Sindicato dos Contabilistas de Gouveia, Sindicato dos Contabilistas de Inimutaba, Sindicato dos Contabilistas de Inhaúma, Sindicato dos Contabilistas de Joaquim Felício, Sindicato dos Contabilistas de Jequitibá, Sindicato dos Contabilistas de Morro da Garça, Sindicato dos Contabilistas de Matozinhos, Sindicato dos Contabilistas de Monjolos, Sindicato dos Contabilistas de Presidente Juscelino, Sindicato dos Contabilistas de Presidente Kubitsckek, Sindicato dos Contabilistas de Pompeu, Sindicato dos Contabilistas de Paraopeba, Sindicato dos Contabilistas de Prudente de Morais, Sindicato dos Contabilistas de Sete Lagoas, Sindicato dos Contabilistas de Santana de Pirapama, Sindicato dos Contabilistas de Santana do Riacho, Sindicato dos Contabilistas de Santo Hipólito, Sindicato dos Contabilistas de Três Marias e Sindicato dos Contabilistas de Virgem da Lapa.

SINCONSETE/MG

SINDICATO DOS CONTABILISTAS, CONTADORES, TÉC. EM CONTABILIDADE E DE EMPREGADOS EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE, AUDITORIAS E PERÍCIAS CONTÁBEIS DE SETE LAGOAS E REGIÃO – SINCONSETE/MG, CNPJ nº 21.012.943/0001-04. CODIGO SINDICAL: 921.012.188.01315-7




SEDE SOCIAL / SALÃO DE EVENTOS

Rua Espinosa, 385 Padre Teodoro - MG CEP 35.702-122







..

Desenvolvido por: Geraldo junio -